Adesão à higienização das mãos na UTI: uma revisão sistemática

Lambe, KA ; Lydon, S ; Madden, C ; Vellinga, A ; Hehir, A ; Walsh, M ; O'Connor, P
Título original:
Hand Hygiene Compliance in the ICU: A Systematic Review
Resumo:

OBJETIVOS:
Sintetizar a literatura que descreve a adesão em UTIs às diretrizes de higienização das mãos da Organização Mundial da Saúde, avaliar a qualidade dos estudos existentes e examinar diferenças nos níveis de adesão entre regiões geográficas, tipos de UTI e grupos de profissionais da saúde, nos métodos de observação e nos momentos (indicações) de higienização das mãos.
FONTES DE DADOS:
Realizamos buscas eletrônicas em agosto de 2018 nas bases de dados Medline, CINAHL, PsycInfo, Embase e Web of Science. Também examinamos as listas de referências dos estudos incluídos e de artigos de revisão relacionados.
SELEÇÃO DE ESTUDOS:
Incluímos estudos em língua inglesa, revisados por pares, que medissem a adesão à higienização das mãos por profissionais da saúde em um ambiente de UTI, utilizando a observação direta guiada pelos “Cinco momentos para a higienização das mãos”, da Organização Mundial da Saúde, publicados desde 2009.
EXTRAÇÃO DE DADOS:
Extraímos informações sobre a localização do estudo, o desenho de pesquisa, o tipo de UTI, os profissionais da saúde, os procedimentos de medição e os níveis de adesão.
SÍNTESE DE DADOS:
Foram incluídos 61 estudos. A maioria foi realizada em países de alta renda (60,7%) e em UTIs adultos (85,2%). A adesão média à higienização das mãos foi de 59,6%. Os níveis de adesão pareceram diferir por região geográfica (países de alta renda, 64,5%; países de baixa renda, 9,1%), tipo de UTI (neonatal, 67,0%; pediátrica, 41,2%; adulto, 58,2%) e tipo de profissional da saúde (enfermeiros, 43,4%; médicos, 32,6%; outros profissionais, 53,8%).
CONCLUSÕES:
A adesão média à higienização das mãos é marcadamente menor do que a definida pelas metas internacionais. Os dados coletados podem oferecer indicadores úteis para os profissionais que avaliam e procuram melhorar a adesão à higienização das mãos em UTIs em todo o mundo.

Resumo Original:

OBJECTIVES:
To synthesize the literature describing compliance with World Health Organization hand hygiene guidelines in ICUs, to evaluate the quality of extant research, and to examine differences in compliance levels across geographical regions, ICU types, and healthcare worker groups, observation methods, and moments (indications) of hand hygiene.
DATA SOURCES:
Electronic searches were conducted in August 2018 using Medline, CINAHL, PsycInfo, Embase, and Web of Science. Reference lists of included studies and related review articles were also screened.
STUDY SELECTION:
English-language, peer-reviewed studies measuring hand hygiene compliance by healthcare workers in an ICU setting using direct observation guided by the World Health Organization's "Five Moments for Hand Hygiene," published since 2009, were included.
DATA EXTRACTION:
Information was extracted on study location, research design, type of ICU, healthcare workers, measurement procedures, and compliance levels.
DATA SYNTHESIS:
Sixty-one studies were included. Most were conducted in high-income countries (60.7%) and in adult ICUs (85.2%). Mean hand hygiene compliance was 59.6%. Compliance levels appeared to differ by geographic region (high-income countries 64.5%, low-income countries 9.1%), type of ICU (neonatal 67.0%, pediatric 41.2%, adult 58.2%), and type of healthcare worker (nursing staff 43.4%, physicians 32.6%, other staff 53.8%).
CONCLUSIONS:
Mean hand hygiene compliance appears notably lower than international targets. The data collated may offer useful indicators for those evaluating, and seeking to improve, hand hygiene compliance in ICUs internationally.

Fonte:
; 47(9): 1251-1257; 2020. DOI: 10.1097/CCM.0000000000003868.