Semana Mundial de Uso Consciente de Antibióticos

No Brasil, as ações são lideradas pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) 

Tornar a resistência aos antibióticos um problema mundialmente reconhecido; sensibilizar para a necessidade de preservar o poder dos antibióticos por meio do uso adequado; aumentar o reconhecimento de que os indivíduos, os profissionais da saúde e da agricultura e os governos devem desempenhar os seus papéis na luta contra a resistência aos antibióticos, incentivar a mudança de comportamento e transmitir a mensagem de que ações simples podem fazer a diferença, são os objetivos da Semana Mundial de Uso Consciente de Antibióticos liderada pela Organização Mundial de Saúde (OMS), de 13 a 19 de novembro de 2017.

No Brasil, as ações são lideradas pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA). A Anvisa lançou para a semana, a página da campanha disponível em: http://portal.anvisa.gov.br/antibioticos

Além disso, publicou recentemente o Plano Nacional para a Prevenção e o Controle da Resistência Microbiana nos Serviços de Saúde, que tem como objetivo principal definir estratégias nacionais para detecção, prevenção e redução da Resistência Microbiana (RM) em serviços de saúde. Disponível em:

http://portal.anvisa.gov.br/documents/33852/271855/Plano+Nacional+para+a+Preven%C3%A7%C3%A3o+e+o+Controle+da+Resist%C3%AAncia+Microbiana+nos+Servi%C3%A7os+de+Sa%C3%BAde/9d9f63f3-592b-4fe1-8ff2-e035fcc0f31d

A campanha pretende alertar e encorajar as melhores práticas entre sociedade, profissionais de saúde, agricultores, produtores de alimentos, veterinários, gestores e políticos. O tema deste ano é “Procure orientação de um profissional de saúde qualificado antes de tomar antibióticos”.

A resistência microbiana aos antimicrobianos tem sido uma ameaça crescente para o tratamento efetivo de uma gama cada vez maior de infecções causadas por bactérias, parasitas, vírus e fungos. A sensibilidade reduzida de antibacterianos, antiparasitários, medicamentos antivirais e antifúngicos, vem tornando o tratamento de muitos pacientes difícil, caro ou mesmo impossível. A magnitude do problema mundial e o impacto da RAM sobre a saúde humana, bem como sobre os custos para os cuidados de saúde e o impacto social mais amplo, são ainda desconhecidos

O enfrentamento da resistência microbiana como problema de saúde mundial vem sendo encarado pela OMS como prioridade. Em 2001 a OMS lançou uma Estratégia Global para Contenção da Resistência Antimicrobiana como um desafio para as diversas instituições de saúde do mundo, tendo em vista as publicações científicas com números crescentes e alarmantes de infecções por bactérias resistentes a múltiplos antimicrobianos.

Em 2015, a Assembleia Mundial de Saúde aprovou um Plano de Ação Global em Resistência Microbiana cujo objetivo geral é assegurar a continuidade da capacidade de tratar e prevenir doenças infecciosas utilizando medicamentos eficazes, seguros e com qualidade comprovada, usados de forma responsável, e que sejam acessíveis a todos os que deles necessitam.