Queda é um dos eventos adversos evitáveis mais notificados no país

Anvisa investe em ações de prevenção voltadas tanto para os profissionais de saúde quanto para os pacientes e seus familiares

Autor pessoal: 
Isis Breves;

Dia 24 de junho foi a data mundial de prevenção de quedas, data criada pela Organização Mundial de Saúde (OMS) para alertar os riscos de quedas. A queda, no universo hospitalar brasileiro, representa o 3º evento adverso mais notificado pelo Sistema Notivisa da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA). Dados desse sistema apontam que de março de 2014 a março de 2017, mais de 12 mil quedas foram notificadas e a na sua maioria é por falta de equilíbrio. Para falar sobre esse assunto, o Proqualis entrevistou Heiko Thereza Santana, da Gerência de Vigilância e Monitoramento em Serviços de Saúde e da Gerência Geral de Tecnologia em Serviços de Saúde da ANVISA.

 

Proqualis – Quais as ações da ANVISA de prevenção de quedas voltado para a Segurança do Paciente?

Heiko Santana (ANVISA) – Tendo em vista o problema da magnitude das quedas em ambientes de assistência à saúde e suas repercussões para a capacidade funcional do paciente que sofreu queda, bem como o uso de intervenções com multicomponentes que são mais efetivas na prevenção de quedas, as principais ações da ANVISA para a prevenção deste evento adverso envolvem regulação e regulamentações para a Segurança do Paciente, orientação aos profissionais para notificação de eventos adversos, autoavaliação das práticas de segurança do paciente nos serviços de saúde com leito de UTI no Brasil, capacitação para profissionais que atuam no Sistema Nacional de Vigilância Sanitária (SNVS) e profissionais de saúde e orientação aos pacientes, familiares e acompanhantes.

 

Proqualis – Poderia explicar cada uma dessas ações?

Heiko Santana (ANVISA) – No item Regulação e regulamentação sanitárias voltadas para a Segurança do Paciente, trata-se das legislações de caráter obrigatório que os serviços de saúde devem seguir. Em 2011, foi publicada pela ANVISA, a Resolução da Diretoria Colegiada (RDC) nº 63 de 25 de outubro de 2011. De acordo como o artigo 8o da RDC, o serviço de saúde deve estabelecer estratégias e ações voltadas para segurança do paciente. O inciso VI destaca-se neste contexto por requerer aos serviços de saúde que tenham mecanismos para prevenção de quedas dos pacientes. No ano 2013, logo após a instituição do Programa Nacional de Segurança do Paciente (PNSP), a ANVISA publicou a RDC nº 36, que institui as ações de segurança do paciente em serviços de saúde. A RDC, entre outros, institui os Núcleos de Segurança do Paciente (NSP) como agentes fomentadores e articuladores para a segurança do paciente dentro dos serviços de saúde públicos, privados, filantrópicos, civis ou militares, incluindo aqueles que exercem ações de ensino e pesquisa. Segundo o art. 8º da RDC, o Plano de Segurança do Paciente em Serviços de Saúde (PSP), elaborado pelo Núcleo de Segurança do Paciente (NSP), deve estabelecer estratégias e ações de gestão de risco, conforme as atividades desenvolvidas pelo serviço de saúde, incluindo a prevenção de quedas dos pacientes (inciso XI).

Já no quesito orientação aos profissionais para notificação de eventos adversos, destina-se aos profissionais do Núcleo de Segurança do Paciente (NSP) que devem realizar a notificação de eventos adversos relacionados à assistência à saúde ao Sistema Nacional de Vigilância Sanitária (SNVS), incluindo a queda de pacientes ocorridas nos serviços de saúde do país. A NOTA TÉCNICA GVIMS/GGTES/ANVISA No 01/2015 traz as orientações gerais para a notificação destes eventos adversos que deve ser feita por meio do Sistema de Notificações em Vigilância Sanitária - Notivisa. A primeira parte desta Nota técnica contém orientações direcionadas aos serviços de saúde, enquanto a seguinte trata de temas específicos das instâncias que compõem o SNVS. No caso de danos graves, é recomendável a revisão/investigação da ocorrência de queda para identificação de suas possíveis causas e implementar plano de ação para prevenção da ocorrência deste tipo de evento na instituição. Cabe ressaltar que o resultado da análise dos dados dos Incidentes Relacionados à Assistência à Saúde notificados à Anvisa (Boletim Segurança do Paciente e Qualidade em Serviços de Saúde – Incidentes Relacionados à Assistência à Saúde – 2015) está disponível em: http://www20.anvisa.gov.br/segurancadopaciente/index.php/publicacoes/item/13-boletim-seguranca-do-paciente-e-qualidade-em-servicos-de-saude-n-13-incidentes-relacionados-a-assistencia-a-saude-2015

A autoavaliação das práticas de segurança do paciente nos serviços de saúde com leitos de UTI no Brasil é um instrumento que objetiva avaliar as práticas de segurança mediante a análise de indicadores de estrutura e processo, sendo que foram incluídos dois indicadores de quedas de pacientes, baseados na RDC n° 36/2013, neste documento. Os indicadores são a implantação do protocolo para prevenção de quedas (indicador de estrutura) e conformidade para avaliação de risco de queda (indicador de processo) na instituição de saúde. Está previsto no Plano Integrado para a Gestão Sanitária da Segurança do Paciente em Serviços de Saúde (http://www20.anvisa.gov.br/segurancadopaciente/index.php/legislacao/item/plano-integrado-para-a-gestao-sanitaria-da-seguranca-do-paciente-em-servicos-de-saude), anualmente, os serviços de saúde brasileiros com leitos de UTI são convidados a realizar o preenchimento do formulário eletrônico (FormSUS) denominado “Formulário de autoavaliação das práticas de segurança do paciente nos serviços de saúde com leitos de UTI do Brasil”.

A Capacitação para profissionais que atuam no SNVS e profissionais de saúde entendem-se a participação de gerentes e técnicos da Anvisa nos eventos de capacitação sobre Segurança do Paciente pelos Estados (Coordenações Estaduais dos Núcleos de Segurança do Paciente – VISA NSP) e também a oferta de materiais educativos (manuais, guias, cartazes, folders) e modalidade de ensino a distância (EAD) sobre a temática da Segurança do Paciente, envolvendo as medidas de prevenção de quedas de pacientes disponibilizado pela Anvisa. Ressalta-se que o Protocolo para prevenção de quedas (Ministério da Saúde, Anvisa e Fiocruz - 2013) está disponível em:

http://www20.anvisa.gov.br/segurancadopaciente/index.php/publicacoes/item/prevencao-de-quedas .

Por fim, a orientação aos pacientes, familiares e acompanhantes é uma das estratégias da Anvisa para a segurança do paciente. Sabe-se que a conscientização do paciente, familiares e acompanhantes quanto ao risco de quedas pode ajudar na prevenção de eventos adversos relacionados à assistência à saúde. Sendo assim, a Anvisa irá disponibilizar em seu Portal (portal.anvisa.gov.br/) e no Hotsite Segurança do Paciente (www20.anvisa.gov.br/segurancadopaciente/), em agosto deste ano, um guia voltado para esse público-alvo com o objetivo de prestar orientações claras e práticas sobre como paciente, familiares e acompanhantes podem participar de sua assistência na prevenção de eventos adversos nos serviços de saúde do país.

 

Proqualis – Poderia falar sobre a falta de equilíbrio e as causas que podem causar a queda no ambiente hospitalar?

Heiko Santana (ANVISA) – Os distúrbios de equilíbrio podem levar à queda do paciente em serviços de saúde. Os principais fatores que contribuem para a falta de equilíbrio são:

  • Perda da força muscular de membros inferiores, alteração da marcha, amputação, hipotensão, anemia, paresias, osteoartrites, distúrbios neurológicos, caquexia ou obesidade severa, comprometimento sensorial (visão, audição, tato), dieta zero, dor intensa, curativos e/ou bandagens nos pés, uso de próteses, andadores, muletas, bengalas uso de cadeira de rodas e outros, que podem prejudicar a mobilidade do paciente (especialmente em idosos e crianças com dificuldades de marcha/deambulação);
  • Uso de medicamentos que alteraram a mobilidade e equilíbrio (ansiolíticos, antidepressivos, benzodiazepínicos, hipnóticos, narcóticos/opiáceos, tranquilizantes, entre outros);
  • Falta de equipamento de auxílio à marcha (muletas, bengalas, andadores);
  • Pisos escorregadios, falta de grades, mobiliário e iluminação inapropriados, etc;.

 

Proqualis – Como evitar as quedas relacionadas à falta de equilíbrio?

Heiko Santana (ANVISA) – Cabe lembrar que as quedas são eventos adversos evitáveis relacionados à assistência de saúde. Sendo assim, as quedas de pacientes podem ser prevenidas por meio da implantação das principais medidas em serviços de saúde:

  • Instituição do protocolo de prevenção de quedas na instituição de saúde;
  • Avaliação do risco do paciente sofrer quedas no momento da admissão do paciente no serviço de saúde. Utilizar uma escala adequada ao perfil de pacientes da instituição. Esta avaliação deve ser repetida diariamente até a alta do paciente e também sempre que houver transferências de setor e mudança do quadro clínico;
  • Sinalização visual para identificação do risco de queda de paciente (pulseira ou sinalização à beira do leito), a fim de alertar toda a equipe de cuidado;
  • Avaliação da independência e a autonomia para deambulação e a necessidade de utilização de dispositivo de marcha do paciente (por exemplo, andador, muleta e bengala);
  • Revisão periódica da medicação;
  • Cuidados apropriados durante transporte de pacientes intra e extra-hospitalar;
  • Orientar paciente para somente levantar do leito acompanhado por profissional da equipe de cuidado ou acompanhante;
  • Orientar paciente que deambula para uso de calçados antiderrapantes;
  • Conscientizar paciente, familiares e acompanhantes quanto ao risco de quedas;
  • Assegurar ao paciente um cuidado multiprofissional em um ambiente seguro (manutenção de ambiente seguro para o paciente - pisos antiderrapantes, grades, mobiliário e iluminação apropriados, entre outros). Ressalta-se que a RDC nº 50, de 21 de fevereiro de 2002, dispõe sobre o Regulamento Técnico para planejamento, programação, elaboração e avaliação de projetos físicos de estabelecimentos assistenciais de saúde. De acordo com o regulamento sanitário, os pisos devem ser não escorregadios, sendo que para as escadas, o piso de cada degrau tem de ser revestido de material antiderrapante e para as rampas, devem ter o piso não escorregadio, corrimão e guarda-corpo. 

 

Proqualis – Quais os desafios para implementar as estratégias de prevenção de quedas?

Heiko Santana (ANVISA) – Desafios importantes a serem superados para a implementação das estratégias de prevenção de incidentes relacionados à assistência de saúde, incluindo as quedas de pacientes, pelo SNVS envolvem:

  • Monitoramento dos NSP´s instituídos nos estabelecimentos de saúde: há um grande número de serviços de saúde no país, incluindo hospitais de pequeno porte com dificuldades de instituir NSP;
  • Monitoramento dos protocolos de segurança do paciente implantados nos estabelecimentos de saúde no país, especialmente o de quedas de paciente;
  • Monitoramento da autoavaliação das práticas de segurança do paciente e alcance das metas estabelecidas no Plano Integrado do SNVS;
  • Melhoria do sistema de captação dos dados de incidentes relacionados à assistência de saúde mais frequentes, como as quedas dos pacientes, para facilitar a notificação destes eventos, incluindo as quedas, pelos NSP´s dos serviços de saúde. As informações geradas devem ser usadas para produção de indicadores previstos no Protocolo de Prevenção de Quedas do Paciente, além de permitir a oportunidade de aprendizagem para a organização e instituição de ações de melhoria para prevenção de novos eventos de quedas de pacientes;
  • Melhoria do registro/documentação da queda ocorrida no prontuário do paciente, com informações de ocorrência de queda e as condutas médicas e preventivas estabelecidas. O registro da queda do paciente deve constar se envolveu berço, cama, cadeira, maca, banheiro, equipamento, escada, transporte, apoiado por outro indivíduo ou outros e o tipo de queda: tropeçar, escorregar, desmaio, perda de equilíbrio e outros;
  • Realização de capacitações dos NSP’s dos serviços de saúde e de profissionais que atuam no SNVS para a melhoria da vigilância e monitoramento dos incidentes relacionados à assistência à saúde, com destaque especial para as quedas de pacientes;
  • Melhoria da informação sobre prevenção de quedas aos pacientes, familiares e acompanhantes.

 

O Proqualis disponibiliza em seu Portal, em Experiências Brasileiras, a página de Prevenção de Quedas liderada pelo Hospital Samaritano São Paulo. A página possui conteúdo referente ao tema como ferramentas, aulas, indicadores, vídeo e literatura de interesse. Assim, outras instituições de saúde podem utilizar esse material com o objetivo de reduzir a ocorrência de queda de pacientes nos pontos de assistência e o dano dela decorrente, por meio da implantação de medidas que contemplem a avaliação de risco do paciente, garantam o cuidado multiprofissional em um ambiente seguro, e promovam a educação do paciente, familiares e profissionais. Acesse: https://proqualis.net/prevenção-de-quedas

Veja também como foi o Webinar Proqualis “Como conduzir a implementação do Protocolo de Quedas”. Disponível em: https://youtu.be/RzJKwuR9Qe8