Pesquisa da Fiocruz promove a melhoria da qualidade do cuidado e da segurança da paciente em maternidades

O objetivo do projeto é reduzir a morbimortalidade materna e melhorar a experiência das mulheres no parto

Autor pessoal: 
Isis Breves;

Reduzir a elevada taxa de mortalidade, especialmente relacionadas às síndromes hipertensivas e à hemorragia, esse é o desafio do projeto de pesquisa “Desenvolvimento, implementação e avaliação de uma intervenção multifacetada para a melhoria do cuidado obstétrico em maternidade do SUS”, liderado por Margareth Portela, pesquisadora da Escola Nacional de Saúde Pública (ENSP) da Fiocruz e coordenadora geral do Proqualis do Icict/Fiocruz. A mortalidade materna ainda é um grave problema de saúde pública no país. O Brasil não conseguiu cumprir, em 2015, o 5º Objetivo de Desenvolvimento do Milênio (ODM), da Organização das Nações Unidas (ONU), que estabelecia a meta de redução da morte materna em 75%.

            “A cidade do Rio de Janeiro, assim como demais cidades brasileiras, apresenta elevada taxa de mortalidade materna, especialmente relacionada às síndromes hipertensivas, à hemorragia e às infecções, sendo frequente a ocorrência de práticas de cuidado sobre ou subutilizadas. O projeto de pesquisa visa à melhoria da qualidade do cuidado e segurança da paciente e seu bebê em maternidades públicas do município do Rio de Janeiro, com o estímulo e facilitação do uso de práticas baseadas em evidência científica e de uma melhor comunicação intra e inter equipes de saúde, assim como entre profissionais de saúde e pacientes e acompanhantes. Em última análise, também almeja-se a melhoria da experiência da mulher no parto”, explica Margareth Portela.

            O projeto envolve a colaboração entre pesquisadores da Fiocruz e profissionais de saúde e gestores da Secretaria Municipal de Saude e quatro maternidades públicas do Rio de Janeiro: Hospital da Mulher Mariska Ribeiro, Maternidade Carmela Dutra, Maternidade Leila Diniz e Maternidade Maria Amélia Buarque de Hollanda.

            “A intervenção proposta foi concebida a partir de entrevistas com profissionais de saúde e pacientes das maternidades envolvidas. Produzimos um conjunto de materiais de sensibilização, lembretes e instrumentos, tais como pôsteres, cartões-lembretes, formulários, folders, dentre outros materiais gráficos, voltados para orientar a classificação do risco das pacientes no seu acolhimento e evolução, o uso de boas práticas no cuidado às síndromes hipertensivas e à hemorragia e a comunicação bem estruturada entre profissionais de saúde. Todo o material foi elaborado a partir de intensa interação entre a equipe de pesquisa e profissionais das maternidades, levando em conta diretrizes de cuidado recomendadas e a adaptação e validação de instrumentos provenientes da literatura e experiências internacionais.  No que tange ao monitoramento de efeitos da intervenção, a ideia é que a ampla disseminação do material, combinada à realização de treinamentos/simulações promovidas junto a equipes multiprofissionais nas maternidades modifique de forma positiva indicadores relativos à hemorragia e hipertensão”, fala Margareth Portela.

            “O desafio do trabalho em equipe nas maternidades é a variabilidade das equipes, ou seja, cada dia são profissionais diferentes e que mudam constantemente. Por isso, é necessária uma estratégia estruturada de trabalho das equipes para não comprometer a segurança do paciente”, fala João Batista Marinho de Castro Lima, Diretor Clínico da maternidade do Hospital Sofia Feldman, e consultor técnico do projeto, que ministrou um treinamento e simulação de cuidado à hemorragia em cada maternidade, como iniciativa a ser multiplicada pelas suas respectivas equipes e dessa forma promover a continuidade das estratégias propostas envolvendo demais profissionais de diferentes turnos, contemplando a variabilidade das equipes.

            O material do projeto estará disponível para download no Portal Proqualis gratuitamente, podendo ser utilizados por demais instituições de saúde, dando os devidos créditos do material.

 

Leia também: Pesquisa ouviu mulheres em maternidades do Rio para saber o que importa na hora do parto

https://proqualis.net/noticias/pesquisa-ouviu-mulheres-em-maternidades-do-rio-para-saber-o-que-importa-na-hora-do-parto