Vigilância: uma intervenção de enfermagem para melhorar a segurança do paciente em ambientes de terapia intensiva

PFRIMMER, D. M. ; JOHNSON, M. R. ; GUTHMILLER, M. L. ; LEHMAN, J. L. ; ERNSTE, V. K. ; RHUDY, L. M.
Título original:
Surveillance: A Nursing Intervention for Improving Patient Safety in Critical Care Environment
Resumo:

Introdução: A vigilância de enfermagem tem sido identificada como uma intervenção fundamental para o reconhecimento precoce e a prevenção de erros/eventos adversos. A Classificação de Intervenções de Enfermagem (Nursing Intervention Classification) define a vigilância como "a aquisição, interpretação e síntese intencionais e contínuas de dados de pacientes para a tomada de decisões clínicas". Como os enfermeiros são os principais profissionais presentes continuamente nos ambientes de terapia intensiva, a importância da vigilância como uma intervenção é fundamental. Objetivo: O objetivo deste estudo foi explorar de que forma a vigilância é expressa por enfermeiros de terapia intensiva.

Métodos: Utilizamos um desenho de estudo descritivo e exploratório. A técnica de pensar em voz alta foi utilizada para a coleta de dados. Ao todo, 21 enfermeiros de 3 unidades de terapia intensiva participaram do estudo. Pedimos aos participantes que dissessem em voz alta o que estavam pensando durante 3 momentos: na passagem do caso, na avaliação inicial do paciente e depois de 4 horas de prestação do cuidado. A técnica de pensar em voz alta representa as informações (sinais) enfocadas pela memória de curto prazo, antes de serem processadas e armazenadas. Os dados foram analisados por meio da análise de conteúdo, sendo identificados os principais conceitos e temas.

Resultados: A expressão da vigilância se deu através do tema principal da busca por significado. A vigilância envolveu (a) conhecer o paciente, (b) compreender e tomar decisões de forma compartilhada e (c) pensar no futuro. Os resultados destas atividades tiveram por objetivo encontrar sentido nos sinais que surgiram como tema dominante.

Discussão: A vigilância foi expressa pelos enfermeiros através de atividades como coletar sinais, refletir sobre conhecimentos prévios, fazer perguntas, verificar e reunir toda essa informação para encontrar sentido. Durante a passagem de casos, a vigilância envolveu o trabalho cognitivo colaborativo para encontrar sentido nos sinais/informações.

Palavras-chave: Tomada de decisões; passagem de casos; processamento de informações; vigilância.

Resumo Original:

Background: Nursing surveillance has been identified as a key intervention in early recognition and prevention of errors/adverse events. Nursing Intervention Classification (NIC) defines surveillance as "the purposeful and ongoing acquisition, interpretation, and synthesis of patient data for clinical decision making." Because nurses are the main staffing constant in the critical care environment, the importance of surveillance as an intervention is fundamental.

Objective: The aim of this study was to explore how surveillance is expressed by critical care nurses.

Methods: A descriptive exploratory research design was used. Think-aloud was used for data collection. Twenty-one registered nurses from 3 critical care units participated in the study. Participants were asked to say out loud whatever they were thinking as they performed patient care at 3 time points: during handoff, initial patient assessment, and after 4 hours of care. Think-aloud (saying aloud what one is thinking) represents the information (cues) that is attended to in short-term memory, before it has been processed and stored. Data were analyzed using content analysis with key concepts and themes identified.

Results: The expression of surveillance was through the main theme of finding meaning. Surveillance involved (a) knowing the patient, (b) shared understanding and decision making, and (c) thinking ahead. The outcomes of these activities were aimed at finding meaning in the cues that emerged as the overarching theme.

Discussion: Surveillance was expressed through nurses' gathering cues, reflecting on past knowledge, asking questions, verifying, and pulling it all together to find meaning. During handoff, surveillance involved collaborative cognitive work to find meaning in cues.

Fonte:
Dimens Crit Care Nurs ; 36(1): 45-52; 2017. DOI: 10.1097/DCC.0000000000000217.