Variação global na adoção da Lista de Verificação da Segurança Cirúrgica

Delisle M ; Pradarelli JC ; Panda N ; Koritsanszky L ; Sonnay Y ; Lipsitz S ; Pearse R
Título original:
Variation in global uptake of the Surgical Safety Checklist
Resumo:

CONTEXTO:
A Lista de Verificação de Segurança Cirúrgica (LVSC) é uma ferramenta de segurança do paciente comprovadamente capaz de reduzir a mortalidade e melhorar o trabalho em equipe e a aderência às práticas de segurança perioperatórias. Os resultados do trabalho piloto original foram publicados 10 anos atrás. Este estudo procurou determinar a prevalência contemporânea e os preditores do uso da LVSC globalmente.
MÉTODOS:
Analisamos dados agrupados dos estudos GlobalSurg e Surgical Outcomes para descrever o uso da LVSC no período de 2014 a 2016. A exposição primária foi o Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) do país da notificação, e o desfecho primário foi o uso relatado da LVSC. Utilizamos uma equação de estimativa generalizada, agrupada por instalação, para determinar diferenças no uso da LVSC por paciente, por instalação e segundo as características nacionais.
RESULTADOS:
Incluímos um total de 85.957 pacientes de 1464 instalações em 94 países. Em média, as instalações utilizaram a LVSC em 75,4% das cirurgias. O uso da LVSC foi menor em países com baixo IDH que naqueles com IDH muito elevado (odds ratio [OR] 0,08, IC95% 0,05 a 0,12). A LVSC foi menos utilizada em cirurgias urgentes que nas eletivas em países com baixo IDH (OR 0,68, 0,53 a 0,86), mas essa diferença não foi observada em países com IDH muito elevado (OR 0,96, 0,87 a 1,06). O uso da LVSC foi menor em obstetrícia e ginecologia que em cirurgia abdominal (OR 0,91, 0,85 a 0,98) e nos lugares onde o idioma habitual ou oficial não era uma das línguas oficiais da OMS (OR 0,30, 0,23 a 0,39).
CONCLUSÃO:
Ao nível mundial, o uso da LVSC é geralmente alto, mas existe uma variabilidade significativa. É preciso desenvolver estratégias de implementação e difusão para lidar com essa variabilidade.
 

Resumo Original:

BACKGROUND:
The Surgical Safety Checklist (SSC) is a patient safety tool shown to reduce mortality and to improve teamwork and adherence with perioperative safety practices. The results of the original pilot work were published 10 years ago. This study aimed to determine the contemporary prevalence and predictors of SSC use globally.
METHODS:
Pooled data from the GlobalSurg and Surgical Outcomes studies were analysed to describe SSC use in 2014-2016. The primary exposure was the Human Development Index (HDI) of the reporting country, and the primary outcome was reported SSC use. A generalized estimating equation, clustering by facility, was used to determine differences in SSC use by patient, facility and national characteristics.
RESULTS:
A total of 85 957 patients from 1464 facilities in 94 countries were included. On average, facilities used the SSC in 75•4 per cent of operations. Compared with very high HDI, SSC use was less in low HDI countries (odds ratio (OR) 0•08, 95 per cent c.i. 0•05 to 0•12). The SSC was used less in urgent compared with elective operations in low HDI countries (OR 0•68, 0•53 to 0•86), but used equally for urgent and elective operations in very high HDI countries (OR 0•96, 0•87 to 1•06). SSC use was lower for obstetrics and gynaecology versus abdominal surgery (OR 0•91, 0•85 to 0•98) and where the common or official language was not one of the WHO official languages (OR 0•30, 0•23 to 0•39).
CONCLUSION:
Worldwide, SSC use is generally high, but significant variability exists. Implementation and dissemination strategies must be developed to address this variability.
 

Fonte:
The British Journal of Surgery ; 107(2): e151-e160; 2020. DOI: 10.1002/bjs.11321.