Uma assistência limpa é uma assistência mais segura: o primeiro desafio global da Aliança Mundial da OMS para a Segurança do Paciente

PITTET, D. ; DONALDSON, L.
Título original:
Clean care is safer care: the first global challenge of the WHO World Alliance for patient safety
Resumo:

A segurança do paciente é um componente essencial para melhorar a qualidade do cuidado de saúde em todo o mundo. Confrontada com essa importante questão, em 2002 a 55a Assembleia Mundial da Saúde aprovou uma resolução instando os países a prestarem a maior atenção possível ao problema da segurança do paciente e fortalecer os sistemas de segurança e monitoramento. A resolução instou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a liderar o processo de estabelecimento de normas e padrões globais e apoiar os esforços dos países na elaboração de políticas e práticas de segurança do paciente.

Em maio de 2004, a 57a Assembleia apoiou a criação de uma aliança internacional para melhorar a segurança do paciente como uma iniciativa mundial, e a Aliança Mundial para a Segurança do Paciente foi lançada em outubro de 2004. Essa é a primeira vez que os altos decisores políticos, chefes de agências e grupos clínicos e de pacientes vieram de todos os cantos do globo para promover o objetivo da segurança do paciente de “Primum non nocere” (“Em primeiro lugar, não prejudicar”) e reduzir as consequências adversas sociais e de saúde do cuidado de saúde inseguro. O primeiro Programa Avançado da Aliança está focando suas ações nas seguintes áreas: pacientes para a segurança do paciente, taxonomia, pesquisa, soluções para a segurança do paciente, notificação e aprendizagem e um desafio mundial bienal para a segurança do paciente (Tabela 1).


Tabela 1 - SEIS ÁREAS DE AÇÃO DA ALIANÇA MUNDIAL PARA A SEGURANÇA DO PACIENTE DA OMS


  • Desafio Mundial para a Segurança do Paciente: “Uma Assistência Limpa É uma Assistência Mais Segura”, focando, no período 2005-2006, a prevenção de infecções relacionadas com a assistência à saúde (IRAS)
  • Pacientes para a Segurança do Paciente: Mobilização de pacientes e organizações de pacientes visando a seu envolvimento nos esforços de segurança do paciente em todo o mundo
  • Taxonomia para a Segurança do Paciente: Desenvolvimento de padrões de dados internacionalmente aceitáveis para coleta, codificação e classificação dos eventos adversos e near misses
  • Pesquisa para a Segurança do Paciente: Aprimoramento de ferramentas e métodos para medir o dano ao paciente em países em desenvolvimento e definição de uma agenda global de pesquisa sobre segurança do paciente
  • Soluções para a Segurança do Paciente: Disseminação mundial de intervenções de segurança do paciente comprovadas e coordenação dos esforços internacionais para soluções futuras
  • Notificação e Aprendizagem: Geração de ferramentas e orientações para o desenvolvimento de sistemas de notificação de segurança dos pacientes e melhoria dos sistemas existentes dentro dos países
Resumo Original:

Patient safety is a critical component of improving the quality of health care worldwide. Confronted with this important issue, the 55th World Health Assembly in 2002 adopted a resolution urging countries to pay the closest possible attention to the problem of patient safety and strengthen safety and monitoring systems. The resolution urged the World Health Organization (WHO) to lead the process of establishing global norms and standards and supporting country efforts in developing patient safety policies and practices.

In May 2004, the 57th Assembly supported the creation of an international alliance to improve patient safety as a global initiative, and the World Alliance for Patient Safety was launched in October 2004. This is the first time that senior policy makers, heads of agencies, and clinical and patient groups have come together from all corners of the globe to advance the patient safety goal of “Primum non nocere” (“First, do no harm”) and to reduce the adverse health and social consequences of unsafe health care. The Alliance’s first Forward Programme is focusing its actions on the following areas: patients for patient safety, taxonomy, research, solutions for patient safety, reporting and learning, and a biennial global patient safety challenge (Table 1).


Table 1 -  SIX ACTION AREAS OF THE WHO WORLD ALLIANCE FOR PATIENT SAFETY


  • Global Patient Safety Challenge: “Clean Care is Safer Care,” focusing over 2005–2006 on the prevention of health care–associated infection
  • Patients for Patient Safety: Mobilizing patients and patient organizations to become involved in patient safety efforts worldwide
  • Taxonomy for Patient Safety: Developing internationally acceptable data standards for collecting, coding, and classifying adverse events and near misses
  • Research for Patient Safety: Improving tools and methods to measure patient harm in developing countries and defining a global patient safety research agenda
  • Solutions for Patient Safety: Spreading proven patient safety interventions worldwide and coordinating international efforts on future solutions
  • Reporting and Learning: Generating tools and guidance for developing patient safety reporting systems and improving existing systems within countries
Fonte:
Infect Control Hosp Epidemiol ; 26(11): 891-894; 2005.