Sustentando as reduções na ocorrência de infecções da corrente sanguínea associadas a cateteres em unidades de terapia intensiva do estado de Michigan: um estudo observacional

PRONOVOST, P. J. ; GOESCHEL, C. A. ; COLANTUONI, E. ; WATSON, S. ; LUMBOMSKI, L. H. ; BERENHOLTZ, S. M. ; THOMPSON, D. A.
Título original:
Sustaining reductions in catheter related bloodstream infections in Michigan intensive care units: observational study
Resumo:

Objetivos: Avaliar em que medida as unidades de terapia intensiva participantes do projeto inicial Keystone ICU conseguiram sustentar as reduções nas taxas de ocorrência de infecções da corrente sanguínea associadas a cateteres.

Desenho: Estudo de coorte colaborativo para implementar e avaliar intervenções que melhorem a segurança do paciente. Ambiente: Unidades de terapia intensiva situadas predominantemente no estado de Michigan, nos EUA.

Intervenção: Modelo conceitual destinado a melhorar o uso, por parte de profissionais envolvidos na prática clínica, de recomendações baseadas em evidências para reduzir as taxas de infecções da corrente sanguínea associadas a cateteres, com medição e retroalimentação das taxas de infecção. Durante o período de sustentabilidade, as equipes das unidades de terapia intensiva foram instruídas a integrar a intervenção na orientação dada aos profissionais, a coletar os dados mensais com as equipes de controle de infecções do hospital e a notificar as taxas de infecção às partes envolvidas.

Principais medidas de desfecho: Taxa trimestral de infecções da corrente sanguínea associadas a cateteres por 1000 cateteres-dia durante o período de sustentabilidade (19 a 36 meses após a implementação da intervenção).

Resultados: 90 (87%) das 103 unidades de terapia intensiva originais participaram do estudo, transmitindo dados referentes a 1.532 meses nas unidades de terapia intensiva e a 300.310 cateteres-dia durante o período de sustentabilidade. As taxas média e mediana de infecções da corrente sanguínea associadas a cateteres caíram de 7,7 e 2,7 (amplitude interquartil, 0,6-4,8) na linha de base para 1,3 e 0 (0-2,4) no período dos 16 aos 18 meses e para 1,1 e 0 (0,0-1,2) no período dos 34 aos 36 meses pós-implementação. A análise hierárquica de regressão demonstrou que a razão das taxas de incidência caiu de 0,68 (intervalo de confiança de 95%, 0,53 a 0,88) no período de 0 a 3 meses para 0,38 (0,26 a 0,56) no período entre 16 e 18 meses e para 0,34 (0,24 a 0,48) no período entre 34 e 36 meses pós-implementação. Durante o período de sustentabilidade, a taxa média de infecções da corrente sanguínea não se modificou significativamente em comparação com o período inicial de 18 meses pós-implementação (-1%, intervalo de confiança de 95%, -9% a 7%).

Conclusões: A queda nas taxas de infecções da corrente sanguínea associadas a cateteres atingida nos primeiros 18 meses pós-implementação foram sustentadas durante outros 18 meses, à medida que as unidades de terapia intensiva integravam a intervenção na prática. O uso disseminado dessa intervenção, com resultados semelhantes, poderia reduzir consideravelmente a morbidade e os custos relacionados às infecções da corrente sanguínea associadas a cateteres.

Resumo Original:

Objectives: To evaluate the extent to which intensive care units participating in the initial Keystone ICU project sustained reductions in rates of catheter related bloodstream infections. Design Collaborative cohort study to implement and evaluate interventions to improve patients's safety.

Setting: Intensive care units predominantly in Michigan, USA.

Intervention: Conceptual model aimed at improving clinicians' use of five evidence based recommendations to reduce rates of catheter related bloodstream infections rates, with measurement and feedback of infection rates. During the sustainability period, intensive care unit teams were instructed to integrate this intervention into staff orientation, collect monthly data from hospital infection control staff, and report infection rates to appropriate stakeholders.

Main Outcome Measures: Quarterly rate of catheter related bloodstream infections per 1000 catheter days during the sustainability period (19-36 months after implementation of the intervention).

Results: Ninety (87%) of the original 103 intensive care units participated, reporting 1532 intensive care unit months of data and 300 310 catheter days during the sustainability period. The mean and median rates of catheter related bloodstream infection decreased from 7.7 and 2.7 (interquartile range 0.6-4.8) at baseline to 1.3 and 0 (0-2.4) at 16-18 months and to 1.1 and 0 (0.0-1.2) at 34-36 months post-implementation. Multilevel regression analysis showed that incidence rate ratios decreased from 0.68 (95% confidence interval 0.53 to 0.88) at 0-3 months to 0.38 (0.26 to 0.56) at 16-18 months and 0.34 (0.24-0.48) at 34-36 months post-implementation. During the sustainability period, the mean bloodstream infection rate did not significantly change from the initial 18 month post-implementation period (-1%, 95% confidence interval -9% to 7%).

Conclusions: The reduced rates of catheter related bloodstream infection achieved in the initial 18 month post-implementation period were sustained for an additional 18 months as participating intensive care units integrated the intervention into practice. Broad use of this intervention with achievement of similar results could substantially reduce the morbidity and costs associated with catheter related bloodstream infections.

Fonte:
BMJ ; 340(c309): 1-6; 2010. DOI: 10.1136/bmj.c309.
DECS:
UTI, infecções relacionadas a cateter, estudo observacional, Michigan