Relação entre dinâmica de equipe, coordenação do cuidado e percepção da cultura de segurança na atenção primária

Blumenthal KJ ; Chien AT ; Singer SJ
Título original:
Relationship among team dynamics, care coordination and perception of safety culture in primary care
Resumo:

Contexto: Ainda é preciso melhorar a segurança do paciente em ambientes de atenção primária. Foi demonstrado que a criação de equipes de alto desempenho pode melhorar a segurança do paciente e promover uma cultura de segurança em ambientes hospitalares, mas sabe-se pouco sobre essa relação na atenção primária. Objetivo: Examinar como a dinâmica de equipe se relaciona com as percepções sobre a cultura de segurança na atenção primária e se a coordenação do cuidado tem um papel mediador. Desenho: Realizamos um estudo transversal, cuja taxa de resposta foi de 63% (n=1082). Participantes: Os participantes do estudo foram médicos, residentes e outros profissionais que interagiam com pacientes em 19 consultórios de atenção primária afiliados à Harvard Medical School. Medidas principais: Foram avaliados três domínios correspondentes às nossas medidas principais: dinâmica de equipe, coordenação do cuidado e cultura de segurança. Todos os itens foram medidos numa escala de Likert de 5 pontos. Utilizamos a regressão linear agrupada pela localização dos consultórios para avaliar a relação entre a dinâmica de equipe e as percepções sobre a cultura de segurança. Também realizamos uma análise de mediação para determinar em que medida a coordenação do cuidado explica a relação entre as percepções sobre a dinâmica de equipe e a cultura de segurança. Resultados: Para cada aumento de 1 ponto na dinâmica de equipe geral, observou-se um aumento de 0,76 ponto na percepção sobre a cultura de segurança [IC 95%, 0,70-0,82; p<0,001]. A coordenação do cuidado mediou a relação entre a dinâmica de equipe e as percepções sobre a cultura de segurança. Conclusão: Os nossos resultados sugerem que existe uma relação entre a dinâmica de equipe, a coordenação do cuidado e as percepções sobre a segurança do paciente em um ambiente de atenção primária. Para tornar o cuidado mais seguro, talvez seja necessário dedicar mais atenção à forma como os profissionais de atenção primária trabalham juntos para coordenar o cuidado.

Resumo Original:

Background: There remains a need to improve patient safety in primary care settings. Studies have demonstrated that creating high-performing teams can improve patient safety and encourage a safety culture within hospital settings, but little is known about this relationship in primary care. Objective: To examine how team dynamics relate to perceptions of safety culture in primary care and whether care coordination plays an intermediating role. Research Design: This is a cross-sectional survey study with 63% response (n = 1082). Subjects: The study participants were attending clinicians, resident physicians and other staff who interacted with patients from 19 primary care practices affiliated with Harvard Medical School. Main Measures: Three domains corresponding with our main measures: team dynamics, care coordination and safety culture. All items were measured on a 5-point Likert scale. We used linear regression clustered by practice site to assess the relationship between team dynamics and perceptions of safety culture. We also performed a mediation analysis to determine the extent to which care coordination explains the relationship between perceptions of team dynamics and of safety culture. Results: For every 1-point increase in overall team dynamics, there was a 0.76-point increase in perception of safety culture [95% confidence interval (CI) 0.70-0.82, P < 0.001]. Care coordination mediated the relationship between team dynamics and the perception of safety culture. Conclusion: Our findings suggest there is a relationship between team dynamics, care coordination and perceptions of patient safety in a primary care setting. To make patients safer, we may need to pay more attention to how primary care providers work together to coordinate care.

Fonte:
Fam Pract ; 2018. DOI: https://doi.org/10.1093/fampra/cmy029.