Qual é o impacto da introdução da prescrição eletrônica para pacientes internados sobre os erros de prescrição? Um estudo escalonado naturalista em um hospital universitário inglês.

Franklin ; Puaar
Título original:
What is the impact of introducing inpatient electronic prescribing on prescribing errors? A naturalistic stepped wedge study in an English teaching hospital.
Resumo:

Resumo
A maioria dos estudos que avaliam o impacto da prescrição eletrônica sobre a segurança da prescrição utiliza desenhos experimentais relativamente fracos, tais como estudos não controlados do tipo pré/pós-intervenção. Este estudo teve como objetivo aplicar um desenho de estudo mais robusto, do tipo escalonado naturalista, para comparar a prevalência e os tipos de erros de prescrição entre a prescrição eletrônica e a prescrição em papel. Os dados foram coletados semanalmente durante as fases de implementação da prescrição eletrônica em 20 enfermarias de um grande hospital inglês. Identificamos 511 (7,8%) prescrições errôneas em 6.523 prescrições de medicamentos em papel e 312 (6,0%) em 5.237 prescrições eletrônicas. A regressão logística não sugeriu efeito estatisticamente significativo no uso da prescrição eletrônica ou na semana de estudo; já os pacientes e enfermarias apresentaram efeitos significativos. Os erros envolvendo doses incorretas e prescrições ilegíveis ou incompletas foram menos comuns com a prescrição eletrônica; os que envolveram a duplicação, omissão, o medicamento incorreto e a formulação incorreta foram mais comuns. É necessário tomar medidas para mitigar estes tipos de erros; estudos futuros devem dar mais atenção aos efeitos relacionados aos pacientes e às enfermarias.
PALAVRAS-CHAVE:
Prescrição eletrônica; hospitais; segurança do paciente; erros de prescrição; estudo escalonado
 

Resumo Original:

Author information
Abstract
Most studies evaluating the impact of electronic prescribing on prescribing safety have used comparatively weak study designs such as uncontrolled before-and-after studies. This study aimed to apply a more robust naturalistic stepped wedge study design to compare the prevalence and types of prescribing errors for electronic prescribing and paper prescribing. Data were collected weekly during a phased electronic prescribing implementation across 20 wards in a large English hospital. We identified 511 (7.8%) erroneous orders in 6523 paper medication orders, and 312 (6.0%) in 5237 electronic prescribing orders. Logistic regression suggested no statistically significant effect of electronic prescribing use or of study week; patient and ward had significant effects. Errors involving incorrect doses and illegible or incomplete orders were less common with electronic prescribing; those involving duplication, omission, incorrect drug and incorrect formulation were more common. Actions are needed to mitigate these error types; future studies should give more consideration to the effects of patient and ward.
KEYWORDS:
electronic prescribing; hospitals; patient safety; prescribing errors; stepped wedge study

Fonte:
; 2019. DOI: 10.1177/1460458219833112.