O feedback após rondas de lideranças pelas enfermarias está associado a uma melhor cultura de segurança do paciente, maior engajamento dos profissionais e redução dos casos de esgotamento profissional

SEXTON, J. B. ; ADAIR, K. C. ; LEONARD, M. W. ; FRANKEL, T. C. ; PROULX, J. ; WATSON, S. R. ; MAGNUS, B.
Título original:
Providing feedback following Leadership WalkRounds is associated with better patient safety culture, higher employee engagement and lower burnout
Resumo:

Contexto: Existe uma relação pouco compreendida entre a realização de rondas de lideranças pelas enfermarias e domínios como a cultura de segurança, o engajamento dos profissionais, os casos de esgotamento profissional e o equilíbrio entre a vida profissional e pessoal.

Métodos: Este estudo transversal avaliou as associações entre receber feedback sobre ações tomadas como resultado das rondas de segurança e avaliações feitas pelos profissionais da saúde sobre a cultura de segurança do paciente, o engajamento dos profissionais, a ocorrência de esgotamento profissional e o equilíbrio entre a vida profissional e pessoal, em 829 ambientes de trabalho.

Resultados: Ao todo, 16.797 dos 23.853 questionários enviados foram devolvidos (70,4%). Dentre os participantes, 5.497 (32,7% do total) informaram que haviam participado de rondas de segurança, e 4.074 (24,3%) afirmaram ter participado de rondas de segurança com feedback. Os ambientes de trabalho que relataram mais rondas de segurança com feedback tiveram escores substancialmente mais altos no domínio de cultura de segurança (intervalo entre o primeiro e o quarto quartis do d de Cohen: 0,34-0,84; intervalo de aumento percentual: 15-27) e um escore de engajamento significativamente maior em quatro dos seis domínios (intervalo entre o primeiro e o quarto quartis do d de Cohen: 0,02-0,76; intervalo de aumento percentual: 0,48-0,70).

Conclusão: Este estudo sobre rondas de segurança do paciente e resultados organizacionais testou relações com um conjunto abrangente de indicadores de cultura de segurança e engajamento na maior amostra de hospitais e participantes já reunida. Além de medir simplesmente se as rondas de segurança ocorriam, examinamos as rondas de segurança com feedback, consideradas como rondas de segurança bem-feitas. Sugerimos que, quando as rondas de segurança são realizadas, servem como base para ações, e os resultados são então retroalimentados aos envolvidos, o ambiente de trabalho se torna um lugar melhor para prestar e receber o cuidado, segundo a avaliação de uma ampla gama de indicadores sobre trabalho em equipe, segurança, liderança, oportunidades de crescimento, participação na tomada de decisões e o componente de exaustão emocional da síndrome de esgotamento profissional. Não se sabe se as rondas de segurança com feedback são uma manifestação da existência de melhores normas ou uma causa dessas normas, mas a associação é comprovadamente forte.

Resumo Original:

Background: There is a poorly understood relationship between Leadership WalkRounds (WR) and domains such as safety culture, employee engagement, burnout and work-life balance.

Methods: This cross-sectional survey study evaluated associations between receiving feedback about actions taken as a result of WR and healthcare worker assessments of patient safety culture, employee engagement, burnout and work-life balance, across 829 work settings.

Results: 16 797 of 23 853 administered surveys were returned (70.4%). 5497 (32.7% of total) reported that they had participated in WR, and 4074 (24.3%) reported that they participated in WR with feedback. Work settings reporting more WR with feedback had substantially higher safety culture domain scores (first vs fourth quartile Cohen's d range: 0.34-0.84; % increase range: 15-27) and significantly higher engagement scores for four of its six domains (first vs fourth quartile Cohen's d range: 0.02-0.76; % increase range: 0.48-0.70).

Conclusion: This WR study of patient safety and organisational outcomes tested relationships with a comprehensive set of safety culture and engagement metrics in the largest sample of hospitals and respondents to date. Beyond measuring simply whether WRs occur, we examine WR with feedback, as WR being done well. We suggest that when WRs are conducted, acted on, and the results are fed back to those involved, the work setting is a better place to deliver and receive care as assessed across a broad range of metrics, including teamwork, safety, leadership, growth opportunities, participation in decision-making and the emotional exhaustion component of burnout. Whether WR with feedback is a manifestation of better norms, or a cause of these norms, is unknown, but the link is demonstrably potent.

Fonte:
BMJ Qual Saf ; 2017. DOI: 10.1136/bmjqs-2016-006399.
Nota Geral:

Online First