Não competiremos em segurança: como os hospitais pediátricos se reuniram para acelerar a redução de danos

Lyren, A. ; Coffey, M. ; Shepherd, M. ; Lashutka, N. ; Muething, S.
Título original:
We Will Not Compete on Safety: How Children's Hospitals Have Come Together to Hasten Harm Reduction
Resumo:

CONTEXTO: Lançada em 2012, a Children’s Hospitals’ Solutions for Patient Safety Network (Rede SPS) é um projeto colaborativo entre hospitais pediátricos nos Estados Unidos e no Canadá que trabalham juntos para eliminar os danos a pacientes e funcionários/profissionais em todos os hospitais pediátricos. MÉTODOS: A Rede SPS, que cresceu de 8 para 137 hospitais, baseia-se no engajamento de lideranças, em evitar a concorrência, na aprendizagem orientada por dados, na atenção à cultura de segurança, no envolvimento de familiares e na transparência. O Grupo de Lideranças da Rede SPS, formado por mais de 150 líderes dos hospitais participantes, forma equipes ligadas a doenças/condições específicas para promover a redução de danos sofridos em hospitais, desenvolvendo um projeto em diversas fases que inclui um foco contínuo na melhoria de processos e da cultura de segurança. Os líderes hospitalares são envolvidos através de relatórios mensais, webinars entre executivos, reuniões presenciais e oportunidades de treinamento bianuais para os conselhos de administração. A Rede SPS desenvolveu grandes oportunidades para a aprendizagem colaborativa, incluindo sessões presenciais de aprendizagem envolvendo toda a rede, reuniões regionais, webinars gerais e específicos, comunicações e um website comum. RESULTADOS: Ao longo do tempo, o portfólio se expandiu à medida que o SPS atingiu as suas metas de redução de danos para algumas doenças/condições e passou a trabalhar para reduzir os danos em outras áreas, anteriormente não abordadas. Em 2017, a Rede SPS relatou uma redução de 9 a 71% em oito doenças/condições, numa coorte inicial de 33 hospitais. A Rede SPS estima que mais de nove mil crianças deixaram de sofrer danos desde 2012, gerando economias de US$ 148,5 milhões em despesas de saúde. CONCLUSÃO: A participação na Rede SPS tem estado associada a uma melhor segurança em hospitais pediátricos. A ampla participação neste ou em outros projetos colaborativos semelhantes tem o potencial de reduzir drasticamente os danos aos pacientes, funcionários e profissionais.

Resumo Original:

BACKGROUND: Launched in 2012, the Children's Hospitals' Solutions for Patient Safety (SPS) Network is a collaborative of children's hospitals in the United States and Canada working together to eliminate patient and employee/staff harm across all children's hospitals. METHODS: The SPS Network, which has grown from 8 to 137 hospitals, has a foundation of leadership engagement, noncompetition, data-driven learning, attention to safety culture, family engagement, and transparency. The SPS Leadership Group, which consists of more than 150 leaders from participating hospitals, forms condition-specific teams to promote the reduction of hospital-acquired harm in a phased design that includes an ongoing focus on both process improvement and safety culture enhancements. Hospital leaders are engaged through monthly reports, executive webinars, in-person meetings, and biannual training opportunities for boards of trustees. SPS has developed extensive opportunities for learning collaboration, including in-person networkwide learning sessions, regional meetings, general and condition-specific webinars, communications, and a shared website. RESULTS: Over time, the portfolio has expanded as SPS has achieved harm reduction targets for some conditions and begun work to reduce harm in other, previously unaddressed areas. In 2017 SPS reported a 9%-71% reduction in eight harm conditions by an initial cohort of 33 hospitals. SPS estimates that more than 9,000 children have been spared harm since 2012, with $148.5 million in health care spending avoided. CONCLUSION: Participation in the SPS Network has been associated with improved safety in children's hospitals. Widespread participation in this or similar collaborations has the potential to dramatically decrease harm to patients, employees, and staff.

Fonte:
Jt Comm J Qual Patient Saf ; 44: 377-388; 2018. DOI: 10.1016/j.jcjq.2018.04.005.