A medida da cultura de segurança do paciente: uma revisão da literatura

PÉREZ BELTRÁN, A. ; RUIZ FRÍAS GIL, S. ; LÓPEZ RUIZ, M. ; VILLANÕ ANSÓTEGUI, M. de L. ; FERNÁNDEZ GONZÁLEZ, R. ; MORENO LARREA, A.
Título original:
La medición de la cultura de seguridad del paciente Una revisión bibliográfica
Resumo:

Objetivo: Determinar se a cultura de segurança do paciente é mensurável em organizações de cuidado de saúde, se a mensuração foi feita e, neste caso, como a cultura de segurança do paciente foi medida e quais aspectos foram levados em consideração.

Método: Revisão da literatura no banco de dados principal, com uma combinação dos índices DeCS e MeSH. Critérios de inclusão: 5 anos, ter sido escrito em inglês ou espanhol, além destes tipos de documentos: meta-análise, ensaios clínicos e revisões sistemáticas. Uma leitura crítica foi feita pelas listas CASPe.

Resultados: Foram selecionadas uma meta-análise e quatro revisões. Foi realizado um estudo minucioso das ferramentas de medida. É notória a grande variabilidade no conteúdo, tamanho e foco, embora a maioria leve em consideração as dimensões de comunicação de liderança, procedimentos, pessoal e notificação de incidentes. A análise psicométrica não foi sempre adequada e somente um dos documentos foi capaz de estabelecer uma correlação entre os resultados com certo nível de certeza. Os questionários mais qualificados são o Safety Attitudes Questionnaire (SAQ) e o Hospital Survey on Patient Safety Culture (HSOPSC). Ambos são amplamente utilizados e possuem uma análise psicométrica apropriada.

Conclusões: O entendimento das características que definem a cultura de segurança do paciente é complexo. Embora os questionários recomendados sejam os melhores no momento, seria aconselhável acompanhar as ferramentas de mensuração das pesquisas. A segurança do paciente requer uma abordagem organizacional e multidisciplinar. Entretanto, a enfermagem exerce um papel fundamental ao se levar em conta a taxa de eventos adversos evitáveis, erros de medicação, úlceras por pressão, falta de informação, quedas e infecções relacionadas à assistência de saúde, que estão amplamente ligadas às competências desses profissionais.

Resumo Original:

Objective: To determine if patient safety culture is measurable in healthcare organizations, if it has done, and in this case, how it is measured and which aspects have been taken into account.

Method: Literature review in the main database with a combination of DeCS and MeSH. Limits: 5 years, English and Spanish and this kind of documents: meta-analysis, clinical trials and systematic reviews. Critical reading was performed by CASPe lists.

Results: We selected 1 qualitative meta-analysis and 4 revisions. In them a thorough study of measurement tools is made. It is noticeable the great variability in content, size and focus. Although most takes into account the dimensions of leadership communication, procedures, personnel and reporting of incidents. Psychometric analysis is not always adequate and only one has established links with the results with certainty. The most qualified questionnaires are Safety Attitudes Questionnaire (SAQ) and the Hospital Survey on Patient Safety Culture (HSOPSC). Both widely used and with an appropriate psychometric analysis.

Conclusions: Understanding the characteristics that define the patient safety culture is complex. Although the recommended questionnaires are the best at this time, it would be advisable to follow researching in the measuring tools. Patient safety requires an organizational and multidisciplinary approach, however, nursing plays a key role taking into account the rate of preventable adverse events, medication errors, pressure ulcers, lack of information, falls, nosocomial infections, ... are, in largely, within its competence.

Fonte:
Rev Enferm ; 36(9): 602-607; 2013.
DECS:
cultura organizacional, segurança do paciente, revisão, assistência a saúde