Investigação de internações sem eventos adversos em pacientes internados pelo Medicare como um indicador de segurança do paciente

KING, A. ; BOTTLE, A. ; FAIZ, O. ; AYLIN, P.
Título original:
Investigating Adverse Event Free Admissions in Medicare Inpatients as a Patient Safety Indicator
Resumo:

Objetivo: Investigar as internações sem eventos adversos como um possível indicador centrado no paciente, alinhado diretamente com o objetivo da segurança do paciente — a ausência de danos.

Contexto: As taxas de eventos adversos evitáveis no cuidado de saúde ainda podem ser reduzidas. Estas taxas geralmente são medidas separadamente, um evento adverso de cada vez. No entanto, isto não revela se diferentes pacientes são afetados ou se os mesmos pacientes sofrem vários eventos.

Métodos:Examinamos conjuntos de dados administrativos hospitalares de pacientes internados através do Medicare de 2009 a 2011 e os processamos usando critérios-padrão. Os eventos foram: (i) morte em 30 dias, (ii) reinternação não planejada em 30 dias, (iii) duração longa da internação, (iv) infecção relacionada à assistência à saúde e (v) indicadores reconhecidos de segurança do paciente que não estavam presentes no momento da internação. Definimos internações sem eventos adversos como aquelas em que não foi registrado nenhum desses eventos. Calculamos taxas nacionais por grupos de diagnósticos. As taxas de internações sem eventos adversos específicas de cada hospital, ajustadas pelo risco, foram calculadas usando os procedimentos colorretais como exemplo.

Resultados: Depois de feitas as exclusões, houve 23.991.193 internações. Aproximadamente 64% passaram pelo sistema de internação de pacientes agudos do Medicare sem nenhum registro de eventos indesejáveis. Em 22,7% das internações foi registrado mais de um evento; destas, 15% apresentaram mais de 2 eventos adversos. Para procedimentos colorretais sem eventos adversos, as taxas de internações específicas de cada hospital, ajustadas pelo risco, revelaram que 131 dos 3.786 hospitais estavam abaixo do limite de controle inferior de 99,8% do quartil superior nacional.

Conclusões: Ao todo, em apenas 60% das internações não foi registrado nenhum evento adverso. Foi comum a ocorrência de mais de um evento. Ainda que haja eventos não registrados, este indicador pode servir como uma linha de base útil e de fácil compreensão para clínicos e administradores.

Resumo Original:

Objective: To investigate adverse event free admissions as a potential, patient-centered indicator aligned directly with the goal of patient safety-freedom from harm.

Background: Preventable adverse event rates in healthcare could be further reduced. These are generally measured separately, one adverse event at a time. However, this does not reveal whether different patients are affected or the same patients are experiencing multiple events.

Methods: We examined Medicare inpatient hospital administrative datasets for 2009 to 2011, processed using standard criteria. Events were (i) death within 30 days, (ii) unplanned readmissions within 30 days, (iii) long length of stay, (iv) healthcare acquired infections, and (v) established patient safety indicators not present on admission. We defined adverse event free admissions as those without record of any of these events. National rates were calculated by diagnosis group. Risk-adjusted hospital-specific rates of adverse event free admissions were calculated using colorectal procedures as an example.

Results: There were 23,991,193 admissions after exclusions. Approximately, 64% went through the acute inpatient Medicare system without record of anything untoward. Multiple events were recorded in 22·7% admissions; 15% of these experienced more than 2 adverse events. Risk-adjusted hospital-specific rates of adverse event free admissions for colorectal procedures showed 131 out of 3786 hospitals below the 99·8% lower control limit of the national upper quartile.

Conclusions: Overall, only 60% of admissions were recorded as adverse event free. Multiple adverse events were common. Even if events are under recorded, this measure could provide an easily understandable and useful baseline for clinicians and managers.

Fonte:
Ann Surg ; 265(5): 910-915; 2017. DOI: 10.1097/SLA.0000000000001792.