Intervenções para reduzir cirurgias e procedimentos clínicos invasivos em local errado

MAHAR, P. ; WASIAK, J. ; BATTY, L. ; FOWLER, S. ; CLELAND, H. ; GRUEN, R. L.
Título original:
Interventions for reducing wrong-site surgery and invasive clinical procedures.
Resumo:

Contexto: Para reduzir casos de cirurgia em local errado – um erro clínico raro, mas potencialmente desastroso – são necessárias intervenções clínicas específicas. Os fatores de risco que contribuem para cirurgia em local errado são variáveis e complexos. A introdução de estratégias clínicas organizacionais e profissionais é importante para minimizar a ocorrência de cirurgia em local errado.

Objetivos: Avaliar a eficácia de intervenções organizacionais e profissionais para reduzir a ocorrência de cirurgia em local errado (que engloba cirurgia no lado errado, procedimento errado e cirurgia em paciente errado), incluindo procedimentos clínicos invasivos não cirúrgicos, como bloqueios regionais, procedimentos dermatológicos, obstétricos e odontológicos e procedimentos cirúrgicos de emergência não realizados no centro cirúrgico.

Métodos de busca: Para esta atualização, fizemos buscas nas seguintes bases de dados eletrônicas: Cochrane Effective Practice and Organisation of Care (EPOC) Group Specialised Register (janeiro de 2014), Cochrane Central Register of Controlled Trials (The Cochrane Library 2014), MEDLINE (junho de 2011 a janeiro de 2014), EMBASE (junho de 2011 a janeiro de 2014), CINAHL (junho de 2011 a janeiro de 2014), Dissertations & Theses (junho de 2011 a janeiro de 2014), African Index Medicus, Latin American and Caribbean Health Sciences, Virtual Health Library, Pan-American Health Organization Database e World Health Organization Library Information System. As buscas nas bases de dados foram realizadas em janeiro de 2014.

Critérios de seleção: Pesquisamos estudos controlados randomizados (ECRs), estudos controlados não randomizados, estudos controlados do tipo pré/pós-intervenção com pelo menos dois locais de intervenção e de controle e estudos de séries temporais interrompidas (STIs) em que o tempo de intervenção estivesse claramente definido e houvesse pelo menos três coletas de dados antes e três após a intervenção. Incluímos dois estudos de STI que avaliaram a efetividade de intervenções organizacionais e profissionais para reduzir a ocorrência de cirurgia em local errado, incluindo cirurgia no lado errado e procedimento errado. Os participantes incluíram todos os profissionais da saúde que prestavam cuidados a pacientes cirúrgicos; estudos nos quais os pacientes foram envolvidos para evitar procedimentos incorretos ou estudos com intervenções dirigidas aos gestores de saúde, administradores, partes interessadas ou seguradoras de saúde.

Coleta e análise dos dados: Dois revisores avaliaram de forma independente a qualidade e extraíram os dados de todos os estudos elegíveis listas de verificação da Cochrane EPOC. Entramos em contato com os autores de estudos para obter informações adicionais.

Resultados principais: Na revisão inicial, incluímos um estudo de STI que avaliou uma intervenção educacional destinada a reduzir a incidência de extrações dentárias em local errado. A intervenção incluiu o exame de casos anteriores de extrações dentárias em local errado, uma intervenção educacional que incluiu a apresentação de casos de extrações erradas, uma explicação sobre diretrizes clínicas relevantes e feedback por parte de um instrutor. Foram apresentados os dados de todos os pacientes no sistema de vigilância de um centro médico universitário em Taiwan com um total de 24.406 extrações dentárias antes da intervenção e 28.084 após a intervenção. Reanalisamos os dados usando a série temporal de Prais-Winsten, e a mudança na taxa de erros por ano foi estatisticamente significativa (-4,52; intervalo de confiança [IC] de 95%, -6,83 a -2,217; erro padrão [EP] 0,5380). A mudança de inclinação foi estatisticamente significativa (-1,16; IC 95% -2,22 a -0,10; EP 0,2472; p<0,05). Esta atualização inclui um estudo adicional que relatou a incidência de cirurgia neurológica em local errado em um hospital universitário antes e depois da implementação do Protocolo Universal. Foram incluídos 22.743 pacientes submetidos a procedimentos neurocirúrgicos na Faculdade de Medicina da Universidade de Illinois, em Peoria, nos EUA. Destes, 7.286 pacientes foram incluídos antes da intervenção e 15.456 após a intervenção. Os autores encontraram uma diferença significativa (p<0,001) na incidência de cirurgia em local errado entre o período anterior, de 1999 a 2004, e o período posterior, de 2005 a 2011. Da mesma forma, os dados foram reanalisados usando a regressão de Prais-Winsten para corrigir os efeitos da autocorrelação. Como as incidências foram relatadas apenas por ano e a intervenção ocorreu em julho de 2004, o ano da intervenção foi excluído da análise. A mudança nas taxas no momento em que a intervenção foi introduzida não foi estatisticamente significativa (-0,078%; IC 95% -0,176 a 0,02%; EP 0,042; p=0,103). A variação na inclinação foi estatisticamente significativa (0,031; IC 95% 0,004 a 0,058; EP 0,012; p<0,05).

Conclusões dos autores: Os resultados desta atualização acrescentam um estudo de STI à revisão anterior, que continha um estudo de STI. A revisão original sugeriu que uma intervenção educacional específica, direcionada a profissionais menos experientes no contexto de um ambiente de atendimento odontológico ambulatorial, que incluiu uma sessão de treinamento com a apresentação de casos de cirurgia em local errado, uma explicação sobre diretrizes clínicas e feedback por um instrutor, esteve associada a uma redução na incidência de extrações dentárias em local errado. O estudo adicional nesta atualização avaliou as taxas de incidência anuais de cirurgia em local errado em uma população neurocirúrgica antes e depois da implementação do Protocolo Universal. Os dados sugeriram uma forte tendência de redução da incidência de cirurgia em local errado antes da intervenção, com uma taxa de incidência próxima de zero. No entanto, o efeito da intervenção nesses estudos ainda é pouco claro, pois os dados só refletem dois estudos pequenos e de baixa qualidade em grupos populacionais muito específicos.

Resumo Original:

Background: Specific clinical interventions are needed to reduce wrong-site surgery, which is a rare but potentially disastrous clinical error. Risk factors contributing to wrong-site surgery are variable and complex. The introduction of organisational and professional clinical strategies may have a role in minimising wrong-site surgery.

Objectives: To evaluate the effectiveness of organisational and professional interventions for reducing wrong-site surgery (including wrong-site, wrong-side, wrong-procedure and wrong-patient surgery), including non-surgical invasive procedures such as regional blocks, dermatological, obstetric and dental procedures and emergency surgical procedures not undertaken within the operating theatre.

Search methods: We searched the following electronic databases: the Cochrane Effective Practice and Organisation of Care (EPOC) Group Specialised Register (June 2011), the Cochrane Central Register of Controlled Trials (The Cochrane Library 2011, Issue 6), MEDLINE (1948-June 2011), EMBASE (1947-June 2011), CINAHL (1980-June 2011), Dissertations and Theses (1861-June 2011), African Index Medicus, Latin American and Caribbean Health Sciences database, Virtual Health Library, Pan American Health Organization Database and the World Health Organization Library Information System. A grey literature search was conducted. Database searches were conducted June 2011.

Selection criteria: We included randomised controlled trials (RCTs), non-randomised controlled trials, controlled before-after studies (CBAs) with at least two intervention and control sites, and interrupted-time-series (ITS) studies where the intervention time was clearly defined and there were at least three data points before and three after the intervention. Studies evaluated the effectiveness of organisational and professional interventions for reducing wrong-site surgery, including wrong site, wrong side and wrong procedure. Participants included all healthcare professionals providing care to surgical patients; studies where patients were involved to avoid the incorrect procedures or studies with interventions addressed to healthcare managers, administrators, stakeholders or health insurers.

Data collection and analysis: Two review authors independently assessed the quality and abstracted data of all eligible studies using a standardised data extraction form, modified from the Cochrane EPOC checklists. We contacted study authors for additional information.

Main results: We included one study in this review. One ITS study evaluated a targeted educational intervention aiming at reducing the incidence of wrong-site tooth extractions. The intervention included examination of previous cases of wrong-site tooth extractions, educational intervention including a presentation of cases of erroneous extractions, explanation of relevant clinical guidelines and feedback by an instructor. Data was re-analysed using the Prais-Winsten time series and the change in level for annual number of mishaps was statistically significant at -4.52 (95% confidence interval (CI) -6.83 to -2.217) (standard error (SE) 0.5380). The change in slope was statistically significant at -1.16 (95% CI -2.22 to -0.10) (SE 0.2472; P < 0.05).

Authors' Conclusions: The findings of this review identified one ITS study for a non-medical procedure conducted in a dental outpatient setting. The study suggested that the use of a specific educational intervention, in the above-mentioned context, which targets junior dental staff using a training session that included cases of wrong-site surgery, presentation of clinical guidelines and feedback by the instructor, was associated with a reduction in the incidence of wrong-site tooth extractions. Given the nature of the intervention in a very specific population, application of these results to a broader population undergoing other forms of surgery or invasive procedures should be undertaken cautiously.

Fonte:
Cochrane Database Syst Rev ; 12(9): CD009404.; 2012. DOI: 10.1002/14651858.CD009404.pub2.