Impacto das distrações intraoperatórias sobre a segurança do paciente: um estudo prospectivo e descritivo baseado em instrumentos validados

SEVDALIS, N. ; UNDRE, S. ; MCDERMOTT, J. ; GIDDIE, J. ; DINER, L. ; SMITH, G.
Título original:
Impact of intraoperative distractions on patient safety: a prospective descriptive study using validated instruments
Resumo:

Contexto: Evidências recentes indicam que as distrações na sala de cirurgia são prevalentes. Certos estudos demonstram que as distrações têm um impacto negativo, mas a maior parte desses estudos foi realizada com médicos residentes em ambientes simulados. Testamos a hipótese de que as distrações intraoperatórias estão associadas a uma deterioração das verificações de segurança do paciente na sala de cirurgia.

Métodos: Avaliamos 24 procedimentos urológicos eletivos. Avaliadores treinados e cegos (dois cirurgiões, um psicólogo) utilizaram instrumentos validados para avaliar prospectivamente a frequência e a gravidade in vivo das distrações (relacionadas à comunicação, a telefones/pagers, ao equipamento/insumos, ao ambiente da sala de cirurgia, a outros setores do hospital ou a um membro da equipe cirúrgica) e a execução de tarefas ligadas à segurança (relacionadas ao paciente, ao equipamento e à comunicação). Realizamos análises descritivas e correlacionais.


Resultados: A duração média dos casos foi de 70 minutos (tempo intraoperatório médio: 31 minutos). Em média, foram registradas 4,0 distrações ligadas à comunicação (variação: 0 a 9) e 2,48 distrações de outros tipos (variação: 0 a 5) por caso (taxa de distrações: 1 a cada 10 minutos). As distrações causadas por visitantes externos (dirigidas a toda equipe ou ao cirurgião) e as distrações devido à falta de coordenação entre os setores do hospital foram as que causaram mais perturbações. Com relação às verificações de segurança, as tarefas ligadas ao paciente foram as realizadas com mais frequência (85-100%), seguidas das tarefas ligadas ao equipamento (75-100%) e das tarefas ligadas à comunicação (55-90%). As análises correlacionais mostraram que as distrações de comunicação mais frequentes e graves estiveram ligadas a uma menor execução de verificações intraoperatórias de segurança do paciente (rho mediano, -0,56, p < 0,05).


Conclusões: As distrações são prevalentes em salas de cirurgia e, neste estudo, estiveram ligadas a uma deterioração das verificações intraoperatórias de segurança do paciente. Os cirurgiões devem estar cientes de sua tolerância às distrações. Os líderes cirúrgicos podem ajudar a controlar as distrações e a reduzir o seu possível impacto sobre a segurança do paciente e sobre o desempenho.

Resumo Original:

Background: There is emerging evidence indicating that distractions in the operating room (OR) are prevalent. Studies have shown a negative impact of distractions, but they have been conducted mostly with residents in simulated environments. We tested the hypothesis that intraoperative distractions are associated with deterioration in patient safety checks in the OR.


Methods: We assessed 24 elective urologic procedures. Blinded trained assessors (two surgeons, one psychologist) used validated instruments to prospectively assess in vivo frequency and severity of distractions (related to communication, phones/pagers, equipment/provisions, OR environment, other hospital departments, or a member of the OR team) and completion of safety-related tasks (related to the patient, equipment, and communication). Descriptive and correlational analyses were conducted.


Results: Mean case duration was 70 min (mean intraoperative time 31 min). A mean of 4.0 communication distractions (range 0-9) and 2.48 other distractions (range 0-5) were recorded per case (distraction rate of one per 10 min). Distractions from external visitors (addressed to the entire team or the surgeon) and distractions due to lack of coordination between hospital departments were most disruptive. Regarding safety checks, patient tasks were completed most often (85-100 %) followed by equipment tasks (75-100 %) and communication tasks (55-90 %). Correlational analyses showed that more frequent/severe communication distractions were linked to lower completion of patient checks intraoperatively (median rho -0.56, p < 0.05).


Conclusions: Distractions are prevalent in ORs and in this study were linked to deterioration in intraoperative patient safety checks. Surgeons should be mindful of their tolerance to distractions. Surgical leadership can help control distractions and reduce their potential impact on patient safety and performance.

Fonte:
World J Surg ; 38(4): 751-758; 2014. DOI: 10.1007/s00268-013-2315-z.
DECS:
atenção, lista de checagem, competência clínica, procedimentos cirúrgicos eletivos, hospitais de ensino, salas cirúrgicas, estudos prospectivos, método simples-cego, procedimentos cirúrgicos urologicos