Gestão de crises de identificação de pacientes no cuidado de saúde e na medicina laboratorial

LIPPI, G. ; MATTIUZZI, C. ; BOVO, C. ; FAVALORO, E. J.
Título original:
Managing the patient identification crisis in healthcare and laboratory medicine
Resumo:

Os erros de identificação têm sido considerados questões críticas no cuidado de saúde, como demonstrado pela ampla literatura científica sobre o tema. Embora haja evidências que sugerem que a frequência de falhas de identificação em exames diagnósticos laboratoriais in vitro pode ser relativamente baixa se comparada a de outros erros laboratoriais (envolvendo entre 0,01 e 0,1% de todas as amostras recebidas), as potenciais consequências adversas ainda são particularmente preocupantes, pois 10 a 20% desses erros não só se traduzem em sérios danos aos pacientes, como também poderiam erodir consideráveis recursos humanos e econômicos, por isso, todo o sistema de saúde deve ser reestruturado de modo a agir proativamente e limitar a carga deste importante problema. Os mais importantes paradigmas para reduzir o risco de erros de identificação no cuidado de saúde envolvem o uso generalizado de mais de dois identificadores únicos de pacientes, educação e treinamento adequados dos profissionais da saúde, a liberação de mais recursos para a segurança do paciente ( isto é, a implementação de ferramentas tecnológicas mais seguras) e o uso de soluções personalizadas de acordo com a organização e os recursos locais. Além disso, uma vez consideradas as vantagens e desvantagens, a rotulagem de tubos de coleta de sangue antes e não depois da punção venosa, , pode ser considerada uma prática mais segura para salvaguardar a segurança do paciente e otimizar a atividade do flebotomista.

Resumo Original:

Identification errors have emerged as critical issues in health care, as testified by the ample scientific literature on this argument. Despite available evidence suggesting that the frequency of misidentification in vitro laboratory diagnostic testing may be relatively low compared to that of other laboratory errors (i.e., usually comprised between 0.01 and 0.1% of all specimens received), the potential adverse consequences remain particularly worrying, wherein 10-20% of these errors not only would translate into serious harm for the patient, but may also erode considerable human and economic resources, so that the entire healthcare system should be re-engineered to act proactively and limiting the burden of this important problem. The most important paradigms for reducing the chance of misidentification in healthcare entail the widespread use of more than two unique patient identifiers, the accurate education and training of healthcare personnel, the delivery of more resources for patient safety (i.e., implementation of safer technological tools), and the use of customized solutions according to local organization and resources. Moreover, after weighing advantages and drawbacks, labeling blood collection tubes before and not after venipuncture may be considered a safer practice for safeguarding patient safety and optimizing phlebotomist's activity.

Fonte:
Clin. Biochem. ; 50(10-11): 562-567; 2017. DOI: 10.1016/j.clinbiochem.2017.02.004.