Fatores associados a lesões por pressão adquiridas em hospitais pediátricos.

Razmus I
Título original:
Factors Associated With Pediatric Hospital-Acquired Pressure Injuries.
Resumo:

OBJETIVO:

O objetivo deste estudo foi identificar associações entre características de pacientes pediátricos (idade e sexo), características dos hospitais, características das unidades de internação (tipo de unidade, práticas de prevenção de lesão por pressão e indicadores de enfermagem) e a ocorrência de lesões por pressão adquiridas no hospital (LPAH) em um grupo de pacientes pediátricos e em pacientes considerados em risco de lesão por pressão.

DESENHO:

Análise descritiva correlacional de dados extraídos de uma grande base de dados.

PARTICIPANTES E AMBIENTE:

A amostra incluiu 39.984 crianças com idade entre 1 dia e 18 anos em 678 unidades pediátricas de 271 hospitais participantes nos Estados Unidos.

MÉTODOS:

Analisamos dados referentes a lesões por pressão e sua prevenção em pacientes pediátricos extraídos da National Database of Nursing Quality Indicators (NDNQI). Todos os dados foram coletados durante o ano de 2012. Utilizamos estatísticas descritivas para sintetizar a amostra. A análise de regressão logística hierárquica foi utilizada para examinar a idade e o sexo dos pacientes, o tipo de unidade, o risco de lesão por pressão, medidas de prevenção, indicadores e características dos hospitais associadas a LPAH.

RESULTADOS:

A probabilidade de ocorrência de uma LPAH foi mais de 9 vezes maior em pacientes considerados em risco de lesões por pressão (OR= 9,42; IC95%= 7,28-12,17; p<0,001) em comparação com os pacientes não considerados de risco. As LPAH foram mais prováveis de ocorrer em unidades de terapia intensiva pediátricas (OR= 2,59; IC95%= 1,28-5,26; p=0,009) e unidades de reabilitação (OR= 4,05; IC95%= 1,21-13,55; p=0,02). Os pacientes de hospitais exclusivamente pediátricos também tinham maior probabilidade de LPAH (OR= 2,6; IC95%= 1,42-4,78; p=0,002) que os de hospitais que atendiam adultos e crianças. Entre os 11.203 pacientes pediátricos considerados em risco de lesões por pressão, 95,8% receberam uma ou mais intervenções de prevenção. Nenhuma intervenção de prevenção foi associada a uma menor ocorrência de LPAH.

CONCLUSÕES:

Os resultados deste estudo apoiam a necessidade de avaliar o risco de lesão por pressão em pacientes pediátricos e elucidam informações importantes sobre as características das unidades pediátricas e dos hospitais que estão associadas a LPAH.

Resumo Original:

PURPOSE:

The purpose of this study was to identify associations among pediatric patient characteristics (age and gender), hospital characteristics, inpatient unit characteristics (unit type, pressure injury prevention practices, and nurse staffing measures), and hospital-acquired pressure injuries (HAPIs) in a group of pediatric patients and in those determined to be at risk for pressure injury.

DESIGN:

A descriptive, correlational analysis of data from a large dataset.

SUBJECTS AND SETTING:

The sample comprised 39,984 children aged 1 day to 18 years of age from 678 pediatric units in 271 participating hospitals across the United States.

METHODS:

Data related to pressure injuries and prevention among pediatric patients from the National Database of Nursing Quality Indicators (NDNQI) were analyzed. All data were collected during the year 2012. Descriptive statistics were used to summarize the study sample. Hierarchical logistic regression analysis was used to analyze patient age and gender, unit type, pressure injury risk, prevention and staffing measures, and hospital characteristics associated with HAPI.

RESULTS:

The likelihood of a HAPI was more than 9 times higher among patients who were determined to be at risk for pressure injuries(odds ratio [OR]: 9.42, 95% confidence interval [CI]: 7.28-12.17, P < .001) compared to patients deemed not at risk. Hospital-acquired pressure injury was more likely to occur on pediatric critical care units (OR: 2.59, 95% CI: 1.28-5.26, P = .009) and rehabilitation units (OR: 4.05, 95% CI: 1.21-13.55, P = .02). Patients from hospitals that only provided care for children (OR: 2.6, 95% CI: 1.42-4.78, P = .002) were also more likely to be associated with HAPI compared to hospitals that provided care for adults and children. Among the 11,203 pediatric patients deemed at risk for pressure injuries, 95.8% received one or more prevention interventions. There were no prevention interventions associated with a lower occurrence of HAPI.

CONCLUSIONS:

Study findings support pressure injury risk assessment among pediatric patients and elucidates important information regarding pediatric unit and hospital characteristics associated with HAPI.

Fonte:
J Wound Ostomy Continence Nurs ; 45(2): 107-116; 2018. DOI: 10.1097/WON.0000000000000411.