Eficácia de uma abordagem Colaborativa na redução de infecções relacionadas com a assistência à saúde e melhoria da segurança em unidades de terapia intensiva (UTIs) brasileiras: a história do programa Salus Vitae

LAJOLO, C. ; SARDENBERG, C. ; ROONEY, K. ; PETENATE, A. ; BOREM, P. ; LUTHER, K.
Título original:
Effectiveness of a collaborative approach in reducing healthcare-associated infections and improving safety in Brazilian icus: the salus vitae story
Resumo:

Contexto: As infecções relacionadas com a assistência à saúde (IRASs) são uma complicação evitável comum do cuidado hospitalar e representam grande ameaça à segurança do paciente, especialmente em países de renda baixa e média. Em junho de 2015, em parceria com o Institute for Healthcare Improvement (IHI), uma organização brasileira prestadora de cuidados de saúde lançou um programa para reduzir a ocorrência de IRASs e melhorar a segurança do paciente em 13 unidades de terapia intensiva (UTIs) de 12 hospitais usando uma abordagem Colaborativa.

Objetivos: Reduzir a taxa de infecção primária de corrente sanguínea associada a cateter venoso central (IPCS-CVC), pneumonia associada à ventilação mecânica (PAV) e infecção do trato urinário associada a sonda vesical de demora (ITU-SVD) em 50% até dezembro de 2016.

Métodos: Utilizamos a abordagem do IHI chamada Breakthrough Collaborative Series (BTS) [traduzida como Colaborativa] ao longo de 18 meses para promover a adoção de pacotes de intervenção de cuidado associados ao envolvimento de lideranças, inovação e capacitação.

Resultados: Ao todo, 13 UTIs participaram da abordagem Colaborativa. Foram identificadas lacunas na infraestrutura, no contingente de pessoal e no conhecimento específico em terapia intensiva. Foram realizadas quatro sessões de aprendizagem. Os dados de julho de 2016 mostram reduções de 49% na taxa de IPCS-CVC, 33% na taxa de PAV e 45% na taxa de ITU-SVD.

Conclusões: A abordagem Colaborativa mostrou-se eficaz na redução de IRAS em UTIs brasileiras. Com base nos resultados obtidos até o momento, temos um elevado grau de confiança de que o projeto alcançará seus objetivos para IPCS-CVC e ITU-SVD, mas não para PAV. A redução da PAV tem se mostrado mais difícil, pois requer o trabalho em equipes multidisciplinares e conhecimentos específicos sobre certos elementos do pacote de intervenções, como o desmame e a sedação. Futuras abordagens Colaborativas nesses ambientes poderão se beneficiar da avaliação e da resolução das lacunas nos conhecimentos clínicos e na infraestrutura, bem como da avaliação da prontidão das equipes para a melhoria de qualidade antes de sua implementação.

Resumo Original:

Background: Healthcare-associated infections (HAI) are a common preventable complication of hospital care and represent a major threat to patient safety, especially in low- and middle-income countries. In June 2015, in partnership with IHI, a Brazilian health system launched a program to reduce HAI and improve patient safety in 13 intensive care units (ICUs) from 12 hospitals using a collaborative approach.

Objectives: To reduce the rate of central line-associated bloodstream infections (CLABSI), ventilator-associated pneumonias (VAP) and catheter-associated urinary tract infections (CAUTI) by 50% by December 2016.

Methods: We used an 18-month Breakthrough Collaborative Series (BTS) approach that promoted the adoption of bundles of care, coupled with leadership engagement, innovation and capacity building.

Results: 13 ICUs participated in the collaborative. Gaps in infrastructure, staffing, and critical care knowledge were identified. Four learning sessions were held. Data from July 2016 shows a 49% reduction in the CLABSI rate, 33% in the VAP rate and 45% in the CAUTI rate.

Conclusions: The BTS approach proved to be effective in reducing HAI in ICUs in Brazil. Based on the results to date, our degree of belief that the Collaborative will achieve its goals for CLABSI and CAUTI is high, but not for VAP. Reducing VAP proved to be more challenging because it demands multidisciplinary teamwork and specific knowledge about certain elements of the bundle such as weaning and sedation. Future collaboratives in these settings might benefit from assessing and closing the gaps in clinical knowledge and infrastructure capacity, and from assessing teams' readiness for quality improvement prior to their implementation.

Fonte:
BMJ Qual Saf ; 25(12): 998; 2017. DOI: 10.1136/bmjqs-2016-IHIabstracts.8.
Nota Geral:

Chamada: Aplicação estruturada de método de melhoria da qualidade é estratégia útil para redução de infecções em UTIs