Como as experiências de simulação de erros afetam as atitudes relacionadas com a prevenção?

BREITKREUZ, K. R. ; DOUGAL, R. L. ; WRIGHT, M. C.
Título original:
How do simulated error experiences impact attitudes related to error prevention?
Resumo:

Introdução: O objetivo deste projeto foi determinar se a exposição simulada a situações de ocorrência de erros altera as atitudes, de modo a ter um impacto positivo sobre os comportamentos de prevenção daqueles.

Métodos: Utilizando um desenho experimental estratificado quase randomizado, comparamos as atitudes de percepção de riscos de um grupo-controle de estudantes de enfermagem que receberam educação habitual relacionada com os erros (revendo o conteúdo de erros de medicação e assistindo a filmes sobre experiências com erros) com as de um grupo experimental de estudantes que reviram o conteúdo de erros de medicação e participaram de experiências simuladas de ocorrência de erros. As variáveis dependentes incluíram a memorização percebida da experiência educacional, a frequência percebida de erros e a cautela percebida com relação à prevenção de erros.

Resultados: Os estudantes de enfermagem experientes consideraram que as experiências simuladas de ocorrência de erros eram mais memorizáveis que os filmes. Os estudantes menos experientes consideraram que as simulações e os filmes eram altamente memorizáveis. Após a intervenção, em comparação com os participantes que assistiram a filmes, os participantes da simulação acreditaram que os erros ocorriam com mais frequência. Ambos os tipos de educação aumentaram a intenção dos participantes de serem mais cautelosos, e a cautela relatada permaneceu mais elevada do que na linha de base para erros de medicação seis meses após a intervenção.

Conclusões: Este estudo apresenta evidências limitadas de que as simulações são vantajosas em relação aos filmes que descrevem erros reais no que diz respeito à manipulação de atitudes relacionadas com a prevenção de erros. Ambas as intervenções tiveram impactos de longo prazo sobre a cautela percebida em relação à administração de medicamentos. As experiências simuladas de ocorrência de erros tornaram os participantes mais conscientes da facilidade com que os erros podem ocorrer, e a educação por meio de filmes tornou os participantes mais conscientes das consequências devastadoras dos erros.

Resumo Original:

Introduction: The objective of this project was to determine whether simulated exposure to error situations changes attitudes in a way that may have a positive impact on error prevention behaviors.

Methods: Using a stratified quasi-randomized experiment design, we compared risk perception attitudes of a control group of nursing students who received standard error education (reviewed medication error content and watched movies about error experiences) to an experimental group of students who reviewed medication error content and participated in simulated error experiences. Dependent measures included perceived memorability of the educational experience, perceived frequency of errors, and perceived caution with respect to preventing errors.

Results: Experienced nursing students perceived the simulated error experiences to be more memorable than movies. Less experienced students perceived both simulated error experiences and movies to be highly memorable. After the intervention, compared with movie participants, simulation participants believed errors occurred more frequently. Both types of education increased the participants' intentions to be more cautious and reported caution remained higher than baseline for medication errors 6 months after the intervention.

Conclusions: This study provides limited evidence of an advantage of simulation over watching movies describing actual errors with respect to manipulating attitudes related to error prevention. Both interventions resulted in long-term impacts on perceived caution in medication administration. Simulated error experiences made participants more aware of how easily errors can occur, and the movie education made participants more aware of the devastating consequences of errors.

Fonte:
Simul Healthc ; 11(5): 323-333; 2016. DOI: 10.1097/SIH.0000000000000174.