Apoio entre pares para profissionais de saúde: uma abordagem pragmática

SHAPIRO, J. ; GALOWITZ, P.
Título original:
Peer Support for Clinicians: A Programmatic Approach
Resumo:

A síndrome do esgotamento profissional assola a cultura médica e está associada a diversas causas primárias, como longas horas de trabalho, a necessidade de preencher uma documentação cada vez mais extensa e a escassez de recursos. Além destas causas, outros fatores de estresse para os médicos são o envolvimento num evento adverso, especialmente quando este envolve um erro no cuidado de saúde, e os processos por má prática. Os autores argumentam que é imperativo que as instituições de saúde dediquem recursos a programas de apoio ao bem-estar e à resiliência dos médicos. Este tipo de apoio é crucial após a ocorrência de eventos adversos e outros eventos que causam estresse emocional, como a morte de um colega ou ter de cuidar de vítimas de um traumatismo em massa, pois os profissionais de saúde muitas vezes estão em seu estado mais vulnerável nesses momentos. Para isso, o Center for Professionalism and Peer Support (Centro de Profissionalismo e Apoio entre Pares) do Brigham and Women's Hospital redesenhou seu programa de apoio entre pares em 2009, a fim de oferecer um apoio individualizado. Este foi um programa pioneiro de apoio entre pares. Posteriormente, mais de 25 programas nacionais e internacionais utilizaram-no como modelo. Este trabalho descreve a origem, a estrutura e o funcionamento básico do programa de apoio entre pares, incluindo componentes importantes a serem incluídos nas conversas de apoio entre pares (chamada, convite/abertura, escuta, reflexão, reformulação, compreensão, estratégia para lidar com o problema, encerramento e recursos/encaminhamento). Os autores defendem que a criação de um programa de apoio entre pares é um caminho a ser seguido, afastando-nos de uma cultura de invulnerabilidade, isolamento e vergonha e levando-nos em direção a uma cultura que valorize verdadeiramente o senso de responsabilidade organizacional compartilhada para o bem-estar dos profissionais de saúde e a segurança do paciente.

Resumo Original:

Burnout is plaguing the culture of medicine and is linked to several primary causes including long work hours, increasingly burdensome documentation, and resource constraints. Beyond these, additional emotional stressors for physicians are involvement in an adverse event, especially one that involves a medical error, and malpractice litigation. The authors argue that it is imperative that health care institutions devote resources to programs that support physician well-being and resilience. Doing so after adverse and other emotionally stressful events, such as the death of a colleague or caring for victims of a mass trauma, is crucial as clinicians are often at their most vulnerable during such times. To this end, the Center for Professionalism and Peer Support at Brigham and Women's Hospital redesigned the peer support program in 2009 to provide one-on-one peer support. The peer support program was one of the first of its kind; over 25 national and international programs have been modeled off of it. This Perspective describes the origin, structure, and basic workings of the peer support program, including important components for the peer support conversation (outreach call, invitation/opening, listening, reflecting, reframing, sense-making, coping, closing, and resources/referrals). The authors argue that creating a peer support program is one way forward, away from a culture of invulnerability, isolation, and shame and toward a culture that truly values a sense of shared organizational responsibility for clinician well-being and patient safety.

Fonte:
Acad Med ; 2016. DOI: 10.1097/ACM.0000000000001297.
Nota Geral:

Online First